Sinergias

Considerando a visão e objetivos na génese do projeto EPR, e a promoção do projeto bandeira associado – a de promover sinergias entre diferentes atividades industriais de modo a promover a sua competitividade e a proteção ambiental – é importante abordar as ações destinadas à promoção de redes de simbioses industriais de modo independente do eixo de ação associado ao planeamento e gestão.

A Associação deve assumir a promoção de ações concretas orientadas para a construção e dinamização da rede e que, de preferência, passem a “fronteira” do próprio EPR. Só assim este poderá ser considerado um motor de desenvolvimento de um ecossistema industrial regional, com mais valias ambientais, económicas e sociais. Os trabalhos desenvolvidos pela 3DRIVERS no âmbito das Simbioses Industriais no EPR constituem um elemento de base fundamental para desenvolver este trabalho. A tabela seguinte apresenta sugestões de ações a serem desencadeadas no contexto da promoção de simbioses industriais.

 

Natureza Exemplos de Ação
Levantamento e estabelecimento de oportunidades em SI  

  • Análise da atividade industrial ao nível regional – identificação das principais empresas;
  • Análise de informação disponível ao nível local e regional – articulação com associações industriais e de desenvolvimento local (p.ex. NERSANT, CIMLT)  sobre recursos de entrada e de saída;
  • Abordagem às empresas EPR para identificação de entidades associadas à sua cadeia de valor e identificação de oportunidades imediatas em sinergias;
  • Identificação de potencial de sinergias (p.ex. Fase II do presente estudo), através da aplicação de metodologias e ferramentas já desenvolvidas;
  •  Contabilização de materiais e custos associados para cálculo (rápido/preliminar) do impacte económico e ambiental, reporte às empresas envolvidas;
  • Análise triple-bottom line formal de sinergia em fase de pré-concretização e apoio às empresas envolvidas;
Interação com empresas (EPR e não EPR)  

  • Abordagem às principais empresas para apresentação de projetos, primeiros contactos e construção de relações profissionais;
  • Formação em ferramentas de implementação de princípios de economia circular, simbioses industriais e identificação de oportunidades;
  • Eventos de networking e teamworking em ambiente informal para fomento de relações interpessoais;
  • Workshops interativos para identificação de oportunidades macro com empresas e entidades participantes (aberto também a instituições públicas, associações, ONG);
  • Facilitação e apoio técnico a projetos de colaboração entre empresas com impacto no uso de recursos (p.ex. integração de tecnologias limpas, reciclagem, simbioses)
  •  Identificação de projetos-teste – curto prazo, baixo investimento – para apresentação como estudo de caso para ganhos de visibilidade (articulação com o eixo de comunicação)
  • Identificação de constrangimentos técnicos/oportunidades de investigação e desenvolvimento em gestão de resíduos, água e energia, para estabelecimento de projetos com unidades de investigação (p.ex. universidades, politécnicos);
Reaching out  

  • Workshops interativos para identificação de oportunidades em gestão de recursos com entidades presentes na comunidade local e regional – p. ex. rede de escolas públicas, centros de dia e lares, quarteis de bombeiros, etc. – em conjunto com algumas empresas parceiras;
  • Abordagem às principais associações e entidades coordenadoras regionais (p.ex. NERSANT, CIMLT, Agro Cluster, etc.) para estabelecimento de parcerias, fomento de relações institucionais, e colaboração na identificação de sinergias;
  • Definição de mecanismos de incentivo para empresas pró-ativas na procura e estabelecimento de sinergias (p.ex. em articulação com plano de comunicação);
Monitorização  

  • Identificação das condições de contexto conducentes ao estabelecimento ou não estabelecimento de sinergia proposta (barreiras e incentivos), e emissão de relatório para informação às empresas aderentes (ligação com eixo de comunicação)
  • Classificação das sinergias relativamente à tipologia (água, energia, resíduos), viabilidade (potencial, concretizada, não concretizada) e benefícios associados (ligação com eixo de comunicação);
  • Contabilização das mais valias associadas às sinergias estabelecidas e conversão em indicadores mensuráveis (ligação com eixo de comunicação), por exemplo:
    • Desvio de aterro (ton)
    • Emissões de GEE (ton de CO2eq);
    • Custos evitados/Ganhos obtidos (€);
    • Custo de investimento (€);